empty

Gaslightting: a violência através da manipulação

empty

Ditadura nunca mais!

Riscos do golpe militar no Brasil

Essencial para Enem, repertório cultural pode ser ampliado sem sair de casa

Os impactos das práticas cotidianas no meio ambiente

Desdobramentos da relação dos jovens brasileiros com os “games” violentos

 
 

Vídeos

REACT - Aprovação em Universidade dos EUA

Colunas

Empresas, comércio e miséria

ABI envia ao TSE representação contra Bolsonaro

Insurreição da Cultura

Entrevistas

"Professores estão sendo levados a exaustão na pandemia", diz especialista

Parceiros

Notícias

Gaslightting: a violência através da manipulação

Essencial para Enem, repertório cultural pode ser ampliado sem sair de casa

A GLAMOURIZAÇÃO DO ALCOOLISMO

Conheça os 5 golpes cibernéticos mais comuns direcionados a adolescentes e saiba como se proteger

  • A realidade da pandemia no Brasil

    A realidade da pandemia no Brasil
    Por Sarah Maria Oliveira (Estudante)

    A doença infecciosa e altamente contagiosa, causada pelo vírus SARS-CoV-2, chamada de Covid-19, alastrou-se em uma escala global no ano de 2020. Fez-se necessário, então, mudanças na vida da sociedade, para evitar o contágio e o agravamento para morte. Porém, o governo tem combatido de forma ineficiente, com atitudes desprezíveis e lentas, e a população sofre com as consequências devastadoras causadas pela pandemia.
    Primeiramente, o Governo Federal brasileiro realiza ações que não conseguem combater a pandemia. A lentidão na compra e distribuição da vacina, a propagação do “kit Covid” sem eficácia comprovada, a figura do presidente causando aglomerações e sem o uso de máscara, não investimento em unidades hospitalares que tratam a doença, falta de auxílio eficiente para manter a população isolada em casa, são exemplos das ineficiências do governo. O resultado são os alarmantes números de mortos, o desemprego e a fome.
    Além disso, a pandemia afeta a saúde mental dos indivíduos. O cenário de incertezas e o corte inesperado das relações sociais do cotidiano prejudicaram de forma drástica a sociedade, causando aumento exponencial nos casos de depressão, ansiedade e estresse. Um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) revelou um aumento de 90% nos casos de depressão; já o número de pessoas com ansiedade e sintomas de estresse agudo dobrou entre os meses de março e abril de 2020.
    Diante do cenário caótico, cabe ao Governo Federal investir na vacinação da população, comprando e distribuindo de forma eficiente as vacinas, além de proporcionar meios econômicos eficazes para manter a população isolada em casa, com auxílios emergenciais condizentes com preço atual para gastos básicos. Cabe à população obedecer à orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), usando máscara e álcool em gel como forma preventiva, além de evitar aglomerações. Cabe ao Ministério da Saúde distribuir verba aos hospitais que tratam a Covid, para comprar equipamentos e medicamentos necessários. Tais medidas visam a diminuir o número de infectados e de mortos pela doença.
    (Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte)

  • As consequências do descarte negligente do lixo eletrônico

    As consequências do descarte negligente do lixo eletrônico

    Viviane Isídio (Pré-universitária)

    O filme “Wall-e” tem como cenário principal um planeta desabitado e tomado por lixo, cujo protagonista, o robô Wall-e, tem a tarefa de compactar o lixo e deixar o planeta habitável novamente, mas essa tarefa já dura 700 anos. Fora da ficção, o cenário global tem sido alvo de muita preocupação, pois as atitudes das pessoas têm sido opostas às que o filme alerta quanto à responsabilidade de cada um sobre o consumo consciente e descarte correto de resíduos eletrônicos.

       O lixo eletrônico é relativamente novo, visto que somente depois do processo de Revolução Industrial ocorrido no século XVIII é que a necessidade de praticidade e comunicação rápida se tornou essencial. No entanto, com isso houve um aumento significativo do ritmo de consumo e as empresas pensando em um maior lucro acabam diminuindo a vida útil dos eletrônicos, induzindo os clientes a trocarem seus aparelhos por novos, estimulando assim o consumo exacerbado, acarretando o acúmulo de matéria ou mesmo o descarte incorreto.

       O descarte correto de eletrônicos deveria ser responsabilidade das empresas, pois sem ter um lugar apropriado as pessoas acabam descartando em lixões a céu aberto e o lixo em contato direto com o solo contamina-o, deixando-o impróprio para a agricultura e contamina também os lençóis freáticos, deixando-os inutilizáveis para o consumo.

       Portanto, é necessário que o Governo desenvolva palestras de reeducação ambiental para que as pessoas tomem consciência e só comprem o essencial para evitar o acúmulo. É importante também que as empresas desenvolvam métodos de descarte correto, distribuam em diversos lugares e tomem como exemplo a empresa Apple que no desenvolvimento no seu mais novo modelo de celular resolveu retirar os carregadores e fones para que os usuários reutilizem os antigos a fim de diminuir a emissão de carbono e de lixo eletrônico.

    Com essas ações, o cenário de “Wall-e” permanecerá na ficção.

    *Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte

  • Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Vanessa Lacerda (Fisioterapeuta e pré-universitária)

    A falta de saneamento básico no país é um percalço grave e antigo. É lamentável a realidade diária de inúmeras famílias que são obrigadas a conviver com esgotos a céu aberto. As crianças em especial são expostas a inúmeras doenças, impactando negativamente em seus cotidianos, inclusive na vida escolar.

    Sob esse viés, o escritor britânico Oscar Wilde afirma que: “A insatisfação é o primeiro passo para o progresso de um homem ou de uma nação”. Nessa perspectiva, faz-se essencial que as comunidades mais afetadas pela má distribuição de água, bem como pela ausência de coleta adequada de lixo, declarem sua insatisfação e solicitem medidas emergenciais aos governantes.

    As crianças e os adolescentes são o principal público afetado por doenças relacionadas ao saneamento básico ineficaz, adquirindo diarreia, leptospirose, verminoses, dentre outras patologias. Como consequência, ficam impossibilitadas de frequentarem a escola de forma assídua, atrasando o desempenho educacional.

    Destarte, é imprescindível que o Ministério da Saúde, em conjunto com o Ministério da Infraestrutura, direcione verbas específicas para a construção de centros de tratamento de água e esgoto, construção de redes de saneamento adequadas, bem como a criação de projetos educacionais para solução da problemática, com o objetivo de mitigar o enorme impacto negativo ocasionado pelo lixo e esgotos, principalmente no ensino dos jovens.

    Ademais, é essencial a existência de parcerias entre o governo e as empresas de construção civil e comerciais, para que através de incentivos fiscais e subsídios, ruas sejam saneadas, lixões sejam reduzidos, com o fito de melhorar a qualidade de vida de tantas pessoas, reduzir inclusive o afastamento escolar de tantos jovens brasileiros, ocasionados por doenças infecto- contagiosas e parasitárias.

    *Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte

  • Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Carlos Eduardo (Pré-universitário)

    O Dia das Crianças comemora os direitos das crianças e adolescentes, além de conscientizar os cuidados necessários durante esse período de vida. Entretanto, segundo o Ministério das Cidades, em 2015, mais de 35 milhões de brasileiros não tinham acesso à água tratada e cerca de 100 milhões sem coleta de esgoto, afetando a saúde e o rendimento escolar de milhares de jovens.

    A princípio, o saneamento básico, disponibilização de água potável, coleta e tratamento de esgoto, é o fator determinante na escolaridade de crianças e adolescentes. Contudo, o Brasil carece de uma infraestrutura adequada para prover essa demanda, ocasionando evasão escolar, doenças e mortes.

    A ausência de saneamento básico afeta todos os setores do país. De acordo com o Painel Saneamento Brasil, a desigualdade em anos de educação formal de um jovem com acesso à água tratada e coleta de esgoto para um sem esses recursos é de 4,1 anos. Fora isso, o setor econômico é diretamente afetado, devido a pacientes internados e pessoas afastadas por doenças.

    Mudanças são necessárias, de imediato, a fim de prover saneamento básico para crianças e adolescentes. Urge a parceria do Estado com grandes empresas, utilizando incentivos financeiros, para o desenvolvimento de projetos sanitários. Por fim, o governo deve regular a privatização das estatais, pois são ineficientes. Tais medidas irão ampliar os serviços de água e esgoto, aumentar a média de anos formais de educação e melhorar a saúde de crianças e adolescentes.

    *Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte