Por Karen Eduarda Costa (Estudante)

Em 2011, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou que o acesso à internet é um direito de todos. Essa rede vem se tornando imprescindível, devido à modernização da sociedade. Porém, será que todos têm acesso a ela da forma mais correta possível?
Em primeiro lugar, deve-se analisar que a partir da Revolução Industrial o ser humano fica cada vez mais preso às máquinas, e desde a chegada da internet em 1969 essa lógica se repete. O espaço virtual traz muitas vantagens, economizando tempo, melhorando as comunicações, com um amplo acesso à informação, entre outros, contudo, mesmo sendo necessária, ainda é muito excludente, pois não ocorre a disponibilização pelo governo e com preços elevados, fora o seu próprio preço, visto que para acessá-la é preciso também um aparelho eletrônico.
Além disso, vale ressaltar também a pandemia que assola o mundo. Com ela veio a quarentena, ou seja, todos devem ficar em casa para a menor propagação da doença. Com isso, a melhor forma de resolver suas necessidades é com o uso da internet, prejudicando assim aqueles que não têm acesso a ela, impossibilitados de trabalhar on-line, assistir à aula remota, entre outros. Por isso, o acesso à rede torna-se fundamental em tal período.
Fica evidente, portanto, a necessidade do acesso às redes por todos. Para isso, o Governo juntamente com as ONGs deve criar projetos para distribuir aparelhos eletrônicos aos mais necessitados. Cabe também a eles, estabelecer pontos em cada cidade para que se ofereça internet com livre acesso. Tais ações em prática ajudarão a concretizar o direito promulgado pela ONU.
(Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte