Por Liedson Leal de Oliveira (Estudante)

A internet é o principal meio de comunicação e de transmissão de informações no mundo. A cada ano se torna mais importante e necessária, sendo assim indispensável para o funcionamento e a boa relação da sociedade.
Cerca de 25% da população brasileira não tem acesso ao mundo virtual. Essa é uma parcela considerável do povo brasileiro, portanto é inaceitável que em 40 anos de implementação do sistema no país, ainda haja tamanha exclusão digital.
Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a internet se tornou o meio de comunicação necessário para promover o direito à educação, imposto por lei no Estatuto da Criança e do Adolescente. Porém, a realidade é outra e quase 5 milhões de crianças e adolescentes não estão usufruindo do seu direito por não terem acesso à internet.
Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o acesso à internet é um direito fundamental do ser humano, independente da sua classe social, tal que é um direito do homem, e não somente do homem rico e privilegiado.
Além do problema da exclusão digital, ainda é notável a desinformação referente a esse assunto, o chamado analfabetismo digital. É necessário que o Governo invista em projetos na rede pública de ensino educacional. A implementação de cursos de informática ou de outras áreas da tecnologia é um dos pontos a ser seguido.
Para os que não têm condições de pagar por uma internet de qualidade, o Governo Federal, em colaboração com operadoras de celular, poderia fornecer chips solidários com internet gratuita. Já que 81% dos brasileiros possuem telefone móvel, de acordo com pesquisa do IBGE, de 2019, tal ação reduziria a exclusão digital no nosso país.
(Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte)