empty

Os desafios de reduzir o consumo de álcool entre os adolescentes brasileiros

empty

Os desafios de reduzir o consumo de álcool entre os adolescentes brasileiros

Os desafios de reduzir o consumo de álcool entre os adolescentes brasileiros

Gaslightting: a violência através da manipulação

Ditadura nunca mais!

Riscos do golpe militar no Brasil

 
 

Vídeos

REACT - Aprovação em Universidade dos EUA

Colunas

Empresas, comércio e miséria

ABI envia ao TSE representação contra Bolsonaro

Insurreição da Cultura

Entrevistas

"Professores estão sendo levados a exaustão na pandemia", diz especialista

Parceiros

Notícias

Gaslightting: a violência através da manipulação

Essencial para Enem, repertório cultural pode ser ampliado sem sair de casa

A GLAMOURIZAÇÃO DO ALCOOLISMO

Conheça os 5 golpes cibernéticos mais comuns direcionados a adolescentes e saiba como se proteger

  • Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Vanessa Lacerda (Fisioterapeuta e pré-universitária)

    A falta de saneamento básico no país é um percalço grave e antigo. É lamentável a realidade diária de inúmeras famílias que são obrigadas a conviver com esgotos a céu aberto. As crianças em especial são expostas a inúmeras doenças, impactando negativamente em seus cotidianos, inclusive na vida escolar.

    Sob esse viés, o escritor britânico Oscar Wilde afirma que: “A insatisfação é o primeiro passo para o progresso de um homem ou de uma nação”. Nessa perspectiva, faz-se essencial que as comunidades mais afetadas pela má distribuição de água, bem como pela ausência de coleta adequada de lixo, declarem sua insatisfação e solicitem medidas emergenciais aos governantes.

    As crianças e os adolescentes são o principal público afetado por doenças relacionadas ao saneamento básico ineficaz, adquirindo diarreia, leptospirose, verminoses, dentre outras patologias. Como consequência, ficam impossibilitadas de frequentarem a escola de forma assídua, atrasando o desempenho educacional.

    Destarte, é imprescindível que o Ministério da Saúde, em conjunto com o Ministério da Infraestrutura, direcione verbas específicas para a construção de centros de tratamento de água e esgoto, construção de redes de saneamento adequadas, bem como a criação de projetos educacionais para solução da problemática, com o objetivo de mitigar o enorme impacto negativo ocasionado pelo lixo e esgotos, principalmente no ensino dos jovens.

    Ademais, é essencial a existência de parcerias entre o governo e as empresas de construção civil e comerciais, para que através de incentivos fiscais e subsídios, ruas sejam saneadas, lixões sejam reduzidos, com o fito de melhorar a qualidade de vida de tantas pessoas, reduzir inclusive o afastamento escolar de tantos jovens brasileiros, ocasionados por doenças infecto- contagiosas e parasitárias.

    *Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte

  • Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Impactos da ausência do saneamento básico na vida escolar das crianças e adolescentes

    Carlos Eduardo (Pré-universitário)

    O Dia das Crianças comemora os direitos das crianças e adolescentes, além de conscientizar os cuidados necessários durante esse período de vida. Entretanto, segundo o Ministério das Cidades, em 2015, mais de 35 milhões de brasileiros não tinham acesso à água tratada e cerca de 100 milhões sem coleta de esgoto, afetando a saúde e o rendimento escolar de milhares de jovens.

    A princípio, o saneamento básico, disponibilização de água potável, coleta e tratamento de esgoto, é o fator determinante na escolaridade de crianças e adolescentes. Contudo, o Brasil carece de uma infraestrutura adequada para prover essa demanda, ocasionando evasão escolar, doenças e mortes.

    A ausência de saneamento básico afeta todos os setores do país. De acordo com o Painel Saneamento Brasil, a desigualdade em anos de educação formal de um jovem com acesso à água tratada e coleta de esgoto para um sem esses recursos é de 4,1 anos. Fora isso, o setor econômico é diretamente afetado, devido a pacientes internados e pessoas afastadas por doenças.

    Mudanças são necessárias, de imediato, a fim de prover saneamento básico para crianças e adolescentes. Urge a parceria do Estado com grandes empresas, utilizando incentivos financeiros, para o desenvolvimento de projetos sanitários. Por fim, o governo deve regular a privatização das estatais, pois são ineficientes. Tais medidas irão ampliar os serviços de água e esgoto, aumentar a média de anos formais de educação e melhorar a saúde de crianças e adolescentes.

    *Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte