Por Arthur Melo (Pré-universitário)

Os atuais meios de produção buscam o menor tempo e custo. Portanto, esses modos se propagaram em todos os produtos, inclusive no meio alimentício. A quantidade e a variedade de comidas industrializadas correspondem ao crescente número de consumidores. Em contraste, os alimentos saudáveis não são procurados com frequência, e o desafio de uma dieta de qualidade é presente no atual cenário brasileiro.
Os alimentos orgânicos não são procurados em sua maioria no Brasil, principalmente se comparar com os industrializados. Todavia, o incentivo por meio de propagandas para o alto consumo de comidas processadas é cada vez mais presente e apelativo, atingindo principal- mente o público infantil com brindes e outras apelações. Por consequência, tal ação cria uma geração com problemas de saúde, destacando-se a obesidade.
O documentário “A dieta do palhaço” trata de um adulto que fez, durante trinta dias, uma dieta de ingerir apenas alimentos de uma rede de “fast foods”. O protagonista Morgan Spurlock teve como consequência um ganho de 11 kg de massa, além de danos no humor a obesidade e a hipertensão.
O consumo de comidas industrializadas é muito superior às orgânicas. Perante isso, os alimentos orgânicos são produzidos em pequenas unidades, já que são consumidos por uma minoria conscientizada. Portanto, a produção se torna mais cara para as empresas, e esse alto custo é explicado no preço de consumo.
Perante os fatos mencionados, é de suma importância implementar a alimentação saudável na sociedade brasileira. Para isso, o Ministério da Saúde deve estabelecer limite para as propagandas de alimentos não saudáveis, além de conscientizar a população a buscar o consumo saudável nessas propagandas. Ao tomar essas atitudes, espera-se o aumento do público consumidor. Por consequência, o preço de tais alimentos diminui, assim tornando a sociedade mais saudável.

* Texto produzido na Oficina de Redação do Professor José Roberto Duarte