Por Iury Sarmento

No último dia 01 de julho, tomaram posse os novos reitor e vice-reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), José Patrício Pereira Melo e Francisco do Ó de Lima Júnior. A cerimônia celebrou a transmissão de administração para o professor José Patrício Pereira Melo, antes conduzida pela ex-reitora Otonite Cortez. A nova direção da universidade foi escolhida pelo voto de 68% da comunidade acadêmica. O novo reitor conversou com A Praça.

 

A Praça - Como o senhor encara a responsabilidade de gerir a instituição?

Prof. Patrício - A URCA é uma instituição com 30 anos de criação, que tem um vasto capital social e de serviços prestados à Região do Cariri e Centro-Sul. É uma grande responsabilidade ser gestor de um órgão público tão importante. A nossa experiência como vice-reitor, Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CESA) e Chefia de Gabinete, bem como tendo sido estudante desta casa e militado nos movimentos estudantis, nos dá uma compreensão da instituição, que se não cria facilidades, nos permite atuar em um ambiente conhecido. O diálogo é o mecanismo que apontamos como melhor caminho. Há um programa de gestão que foi aprovado pela comunidade acadêmica, mais de 67 % dos votantes, proporcionalmente considerados, aprovaram esse programa, vamos trilhar com seriedade em busca do fortalecimento ainda mais da URCA. A ação do Vice-reitor em suas passagens pela Direção do Departamento Financeiro da URCA na fase de renovação dos sistemas de contas públicas estaduais bem como da Pró-reitoria de Desenvolvimento Universitário (PRODUN), é outra experiência relevante do crédito deste programa de gestão, cuja construção tem participação coletiva de todos os segmentos acadêmicos. 

 

A Praça - Além dos os pró-reitores e diretores de centros acadêmicos, os estudantes também serão colaboradores durante o seu mandato?

Prof. Patrício - Os estudantes, temos dito, serão o foco central da nossa gestão, eu e o professor Lima Jr. vice-reitor, fomos estudantes da casa, sabemos as dificuldades e a importância de ter serviços de qualidade e em tempo, para que os estudantes possam estar, permanecer e ter orgulho da URCA. Além, é claro, de melhorar mais ainda seu aprendizado. A participação dos estudantes é fundamental para ter um ambiente democrático e produtivo.

 

A Praça - Concurso para professores efetivos. Como o senhor acompanha esta questão?

Prof. Patrício - Muitas bandeiras que lutamos como estudantes da URCA foram implementadas: restaurante universitário, residência universitária, programas de pós-graduação, aumento nas quotas de bolsas de pesquisa, ensino, extensão, estágio, além de criarmos um programa de assistência estudantil vigoroso. A bandeira pela luta por concurso também já é uma luta vitoriosa, realizamos vários concursos para professor efetivo e temos mais dois em curso. Para o Centro de Artes Violeta Arraes, 21 vagas, e para os demais setores da URCA, 42 vagas, aguardando publicação do edital. Há um escalonamento proposto pelo Governo do Estado de suprir as carências das universidades estaduais nos 4 anos desta gestão, o que inclui no caso da URCA as Unidades Descentralizadas de Iguatu, Campos Sales e Missão Velha.

 

A Praça - Que necessidades são mais emergenciais neste período inicial da sua gestão?

Prof. Patrício - Temos uma infraestrutura que ficou pequena para o crescimento da URCA. Iguatu já teve atendida essa reivindicação. Faltam os campi de Crato, Juazeiro do Norte, Missão Velha e Campos Sales, alguns casos estamos em licitação para ampliação e melhorias (Crajubar, Pimenta I, São Miguel). Outros precisam de nova infraestrutura: Missão Velha, Campos Sales, Pirajá, Crato. Fortalecimento do diálogo com a comunidade externa e interna da URCA, intensificar o "orgulho de ser URCA" e o fortalecimento das unidades básicas de ensino, pesquisa e extensão em sua dimensão democrática e acadêmica.

 

A Praça - Ensino, pesquisa e extensão. Os estudantes de Iguatu e região estão contemplados pelas três vertentes? 

Prof. Patrício - Sim, as Unidades Descentralizadas já estão plenamente incorporadas à dinâmica da URCA em suas três dimensões, mas há ainda um caminho a percorrer, que será conformado com concurso para professor efetivo.

 

A Praça - Em seu discurso de posse, o governador destacou a educação como prioridade de sua gestão. Que medidas iniciais já podem ser sentidas pela URCA?

Prof. Patrício - A decisão política pelo diálogo com a reitoria e os movimentos sociais, a realização dos concursos para professor efetivo. Concessões de gratificação de dedicação exclusiva para professores, algumas demandas de mais de 8 anos. Promoção e ascensão para professores, que resultou em melhoria de salários e a regulamentação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos de professores e a discussão avançada do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos para os servidores técnico-administrativos, bem como a realização de concurso para este segmento, inédito para a URCA. 

 

A Praça - O corpo técnico-administrativo da URCA Iguatu poderá ser aumentado para a demanda do novo campus?

Prof. Patrício - A demanda de pessoal para Iguatu será dividida entre SECITECE e as instituições que participam do “consórcio” ocupante do Campus Multiinstitucional. Um plano de gestão já foi aprovado pelo Governo do Estado para este fim. 

 

A Praça - Como o senhor acompanha o funcionamento e as demandas da comunidade iguatuense na nova casa?

Prof. Patrício - Temos um conjunto valoroso de mais de 100 professores e mais de 12 funcionários, dirigidos pelo professor Ivo Ferreira e Eduarda. Temos uma agenda constante de compromissos em Iguatu e estamos ampliando a base de apoio de coordenadores e agentes de extensão e pesquisa nos cursos de Economia, Educação Física, Enfermagem e Direito. Um grupo de excelente qualidade e dedicação exemplar. 

 

A Praça - São mais de 10 anos em Iguatu, e quase 30 da fundação no Cariri. A URCA é um patrimônio do povo?

Prof. Patrício - A URCA é o principal farol do desenvolvimento social da região do Cariri e Centro-Sul; não disputa com ninguém esse posto, porque é a maior e mais antiga instituição com esse papel. Os resultados são expressivos e crescemos em todos os indicadores, egressos empregados e aprovados em concursos, aprovação da OAB, e avaliação nacional de cursos, inserção nos melhores programas de mestrado e de doutorado do país. É sem dúvidas um patrimônio cultural e social do povo. 

 

A Praça - Que mensagem o senhor deixa para servidores, docentes e alunos da região Centro-Sul?

Prof. Patrício - Mensagem de agradecimento. Iguatu e sua gente, a URCA de Iguatu e seus estudantes, professores e funcionários são merecedores de toda nossa consideração e apreço. Sua energia, sua garra é um exemplo para a URCA em todos os demais campi, tornando concreto mais ainda o orgulho de ser URCA. É um orgulho para nós sermos reitor e vice-reitor da URCA e ter Iguatu como uma de nossas sedes.