Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

Muitos brasileiros se perguntam por que tanta pressa para votar e aprovar as reformas Trabalhista e Previdenciária no Congresso Nacional. A resposta é simples. Na política há demasiado jogo de cena, ou seja, desfaçatez, cinismo. A grande maioria dos congressistas é eleita com dinheiro de empresários, empreiteiras, advindo de caixa 2 e corrupção. Pois bem. A cobrança vem em forma de lobby dos financiadores para aprovar projetos de seus interesses. Ou seja, as reformas ora apresentadas interessam, e muito, aos patrocinadores de deputados e senadores. Ainda que apareçam aqui e acolá na mídia vozes contrárias às propostas, visto que 2018 tem eleições para o Congresso, a dissimulação é notória, pois naturalmente deputados e senadores querem ficar bem na fita com os eleitores; assim fazem discurso dirigido para evitar desgastes e perda de votos. Como Michel Temer tem seus dias contados, aprovar tais reformas no crepúsculo de sua estada no poder traria manchas, ainda mais, ao embuste que ora ocupa o cargo de presidente, evitando dissabores políticos aos que até há pouco o apoiaram, contumazes usurpadores e aproveitadores de quem está de plantão no poder.

 

Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

A Faculdade São Francisco do Ceará – FASC, campus-Iguatu, recebeu na semana passada comissão do Ministério da Educação – MEC que avaliou a sede da instituição, no antigo colégio São José. A visita do MEC é parte do processo de instalação do curso de Engenharia Civil na FASC em Iguatu. A comissão aprovou o curso com 100 vagas. O processo agora segue o trâmite no ministério e após publicação no Diário Oficial, a mantenedora já pode realizar o vestibular. Em agosto, o MEC volta a Iguatu para avaliar também o curso de Arquitetura pretendido pela FASC. Instalada em Iguatu em julho de 2016, a FASC oferece os cursos superiores de Farmácia, Nutrição, Enfermagem, Administração e o tecnólogo em Construção Civil.

 

Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

O crime de estupro pode se tornar imprescritível. É o que determina proposta de emenda à Constituição aprovada em segundo turno na quarta-feira, 9, pelo Senado. Foram 61 votos a favor e nenhum contrário. A PEC 64/2016 já havia sido aprovada em primeiro turno no último dia 9 de maio e segue agora para a análise da Câmara dos Deputados. O texto, do senador Jorge Viana (PT-AC) (foto), teve como relatora a senadora Simone Tebet (PMDB-MS). A PEC altera a Constituição para tratar o estupro como crime “inafiançável e imprescritível”. Isso significa que o crime poderá ser punido mesmo muitos anos depois de cometido.

 

Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

Beneficiários do Programa Bolsa-Família podem passar a receber a décima terceira parcela do benefício. É o que prevê um projeto de lei (PLS 256/2017) do senador Lindbergh Farias (PT – RJ), em análise na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE). Segundo o senador Lindbergh, a ideia é reverter o cenário de cortes no programa.

 

Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

O paranaense Cláudio Tonelli apresentou proposta para eleições de 2018. “Visto que foi aprovado o voto impresso, paralelo à urna eletrônica para 2018, mas o TSE diz não ter condições de gastar R$ 2,5 bilhões para adquirir tais urnas modernizadas, sugerimos que a eleição seja realizada com voto em cédula de papel, em urnas de lona, como antigamente. A sociedade cobra um sistema eleitoral que possa ser auditado, principalmente com recontagem, caso haja algum tipo de dúvida. O atual sistema implementado pelo TSE já apresentou várias dúvidas e os chamados bug's, aonde softwares não assinados digitalmente eram colocados, paralelo ao sistema, podendo lesar resultados”, justifica. Até ontem à noite, a proposta tinha 14.752 apoios. Ao receber 20.000 apoios, a ideia se tornará uma Sugestão Legislativa e será debatida pelos Senadores. A data limite para receber 20.000 apoios é 22/11/2017.

 

Escrito por Sexta, 18 Agosto 2017 Publicado em Jornal A Praça

Os brasileiros poderão ter um dia para fazer compras sem pagar impostos federais. É o que propõe o PLS 234/2017, de autoria do senador Telmário Mota (PTB-PE). De acordo com a proposta, toda primeira sexta-feira de fevereiro os consumidores poderão adquirir mercadorias isentas de IPI, Cofins e PIS/Pasep. Telmário Mota destacou que a iniciativa não tem o objetivo de acabar com os tributos, mas sim garantir mais retorno para a sociedade. Serão incluídos na regra de isenção produtos fabricados no Brasil, vendidos à vista e com preço final de até R$ 5 mil. O benefício aos consumidores, entretanto, valerá somente por cinco anos após a publicação da lei. Segundo o autor, a carga tributária brasileira é extremamente alta e incide principalmente sobre o consumo, o que onera sobretudo as pessoas mais pobres. Quem quiser apoiar a proposta é só votar: http://bit.ly/PLS234_2017.

 

Calendário

« Dezembro 2017 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Sobre o Autor

  • José Roberto Duarte, iguatuense, professor do ensino básico, formado em Letras pela Universidade Estadual do…

Parceiros